sexta-feira, 29 de junho de 2012

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Bertrand Russel - 10 Mandamentos

Para complementar os antigos


Daniil Kharmas - Um Encontro

Miniconto de Daniil Jarms, escritor surrealista russo (1905-1942). Em 1941 foi para a prisão de Nº 1 de Leningrado, acusado de distribuir propaganda contra o regime comunista e ali faleceu de inanição em 1942.

Traduzido por mim de: Literatura Rusa Del Absurdo - Daniil Jarms y Alexander Vedensky, compilación e introducción de George Gibian, Editorial Pleamar, Buenos Aires, 1975.


quinta-feira, 21 de junho de 2012

H. L. Menchen - O Solteiro

Henry Louis "H. L." Menchen (1880-1956) foi jornalista, ensaísta, editor americano. Crítico, mordaz e cruel, da sociedade americana da época, com um estilo Nietzscheano de quem era admirador, criticou sistematicamente cada um das aspectos da vida moderna e da urbanidade sendo assim um precursor do modernismo na literatura americana. Suas tiradas valem até hoje, e o seu estilo, se é que se pode resumir, é a arte do contraste entre a sagacidade da observação e a violência verbal usada para expressar esse pensamento.


segunda-feira, 18 de junho de 2012

Mark Twain - A Mentira

Sem mentiras o mundo seria impossível.


sexta-feira, 15 de junho de 2012

ON LINE

Bom, o Grafados esta no ar, ou mais propriamente, ON LINE.
Grafados tem uma espécie de sombra que é a sua página no FACEBOOK: https://www.facebook.com/Grafados
e tudo o que for postado lá, será antes aqui.

Afinal o FACEBOOK muda constantemente o formato e a disposição das postagens, nem sabemos por quanto tempo ele estará mantendo as coisas postas lá. Pensando nisso, decidi manter esse espaço como a origem e também como um lugar para se aprofundar na discussão sobre o uso da literatura nas próprias mídias sociais.

Comente, compartilhe, critique, enfim, colabore com essa ideia.

Herman

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Daniil Kharms - Agenda Azul Nº 10

Surrealismo Russo

Daniíl Ivánovich Karms (1905-1942)

Escritor satírico russo pertencente à corrente surrealista soviética. 

Karms sobrevivia como escritor de livros infantis em Leningrado e é bastante considerado por sua obra poética e pelas suas histórias curtas e ultracurtas (minicontos).

Suas histórias narram cenas da pobreza e da opressão através de símbolos fantásticos e satíricos, e para isso criou um mundo imprevisível e desordenado; os personagens repetem as mesmas ações muitas vezes ou comportam-se de uma maneira irracional, também nas suas histórias a linearidade é rompida brutalmente pelas circunstâncias mais diversas, absurdas e inexplicáveis.

Karms não foi muito valorizado em vida, já que foi declarado inimigo de estado, e enviado à prisão de Kursk em 1931.

Logo depois de obter a liberdade em 1937 as autoridades confiscaram os seus livros infantis, deixando-o em uma situação de miséria total. Entretanto, continuou escrevendo histórias cada vez mais breves e grotescas, as quais somente foram publicadas após a sua morte.

Foi preso novamente em 1941 e faleceu no ano seguinte na prisão de Leningrado Nº1 de inanição.

(Tradução de Herman Schmitz)

Bertrand Russell - O Pesadelo do Metafísico

Sem descarte


Antiga Maldição Chinesa

Bons tempos


Conto Zen - Espelho no Cofre

Conto Zen
ESPELHO NO COFRE

De volta de uma longa peregrinação, um homem carregava sua compra mais preciosa adquirida na cidade grande: um espelho, objeto até então desconhecido para ele. Julgando reconhecer ali o rosto do pai, encantado, ele levou o espelho para sua casa.
Guardou-o num cofre no primeiro andar, sem dizer nada a sua mulher. E assim, de vez em quando, quando se sentia triste e solitário, abria o cofre para ficar contemplando "o rosto do pai".
Sua mulher observou que ele tinha um aspecto diferente, um ar engraçado, toda vez que o via descer do quarto de cima. Começou a espreitá-lo e descobriu que o marido abria o cofre e ficava longo tempo olhando para dentro dele.
Depois que o marido saiu, um dia ela abriu o cofre, e nele, espantada, viu o rosto de uma mulher. Inflamada de ciúme, investiu contra o marido e deu-se então uma grave briga de família.
O marido sustentava até o fim que era o seu pai quem estava escondido no cofre.
Por sorte, passava pela casa deles uma monja. Querendo esclarecer de vez a discussão, ela pediu que lhe mostrassem o cofre.
Depois de alguns minutos no primeiro andar, a monja comentou ainda lá de cima:

- Ora, vocês estão brigando em vão: no cofre não há homem nem mulher, tão-somente uma monja como eu!

Philip K. Dick - O Conto Final de Todos os Contos

Raro mini conto do mestre


Critical Art Ensamble

Quem?


George Orwell - Porque Escrevo

Escrever…


Conde de Lautréamont - Poesias, 1870

Perante estes imundos cadáveres que me envergonho de nomear, é tempo de reagir enfim contra o que nos choca e nos humilha tão soberanamente:


Blaise Cendrars - Antologia Negra

Alguns bons mandamentos


As Mil e Uma Noites - A Fábula do Burro

Não sou burro


Blaise Cendrars - Antologia Negra

Das muitas formas de se criar vida


Jorge Luis Borges - A Fruição Literária

Sobre o livro sem fim


Lenda Urbana - A Loira Fantasma de Curitiba

Lenda urbana


Jorge Luis Borges - O Rigor em Ciência

Não vá se perder por aí…


Anton Tchecov - O Marido

Texto ou imagem?


Blaise Cendrars - O Morto e a Lua (Antologia Negra)

Fábula das duas tartarugas


Louis-Ferdinand Céline - Norte

Passo a passos


Pablo Picasso - I7 Setembro XXV

Surrealismos Picassianos


Pearl S. Buck - O Velho Demônio

O dinheiro salva em todas as religiões


Henry David Thoreau - A Vida nos Bosques

  Retorno ao natural


Daniel Defoe - Robinson Crusoé e que fazer com o dinheiro.

Pensando Melhor…


Philip K. Dick - O Caçador de Andróides

De uma citação inesperada


H. P. Lovecraft - A Torre

O Livro Maldito Necronomicom faz mais uma vítima


Charles Baudelaire - A uma Transeunte

Um encontro no desencontro urbano


Omar Khaiame - Não bebo vinho pelo simples prazer de me embebedar…

Brindemos Então! As Rubaiatas, rubaia 150.


Tristan Corbiere - Epitáfio

Um bom fim é sempre bom um começo


Fredric Brown - O Final

ABRACADABRA


Charles Sanders Pierce - Ilustrações da Lógica da Ciência

É lógico!


Isaac Asimov - Acerca de Nada

Um dos raros contos curtos do bom velhinho


Francisco de Quevedo - Sobre o Furto

Des-furtar


terça-feira, 12 de junho de 2012

Grafados

Agrafados


Joseph Kosuth - Titled

Joseph Kosuth

'Titled (Art as Idea as Idea)' [Water], 1966.

Pablo Picasso - Au Bon Marché

Pablo Picasso, Nature morte - Au Bon Marché

 Paris, janvier-février 1913, huile, papier et pièces de papiers journaux collés sur un carton imprimé publicitaire, 23,5 x 31 cm

Bruce Nauman - One Hundred Live and Die

Bruce Nauman - one hundred live and die

Lawrence Weiner - Instalação


Alguns Precedentes Ilustres

As instalações de Lawrence Weiner, que praticamente criaram o conceptual art dos anos 60, são um ponto de partida para a idéia de se dar um ZOOM num pequeno trecho de escrita e destacá-lo dessa sua pequenez material do corpo da tinta, e submete-las ao raio aumentador, que imediatamente crava na parede da galeria o que eu estou querendo realmente dizer.

Aqui tem mais sobre ele:
http://hskkoeln.wordpress.com/lawrence-weiner/

e é claro, aqui: http://en.wikipedia.org/wiki/Lawrence_Weiner

Grafados - Seja Bem Vindo

Seja BEM VINDO!!!

Grafados - Início

Logomarca inicial

Inauguração


Agradecemos hoje, nesta data registrada nos computadores do nosso senhor da Internet, que a tantas vozes nos alcança com seu poder e a sua glória, por estar aqui lançado, no espaço internautico, os GRAFADOS. E façam silêncio!